Modelo brasileira com vitiligo posa para ensaio sensual e dá aula de autoestima
Modelo brasileira com vitiligo posa para ensaio sensual e dá aula de autoestima
Leia mais

Modelo brasileira com vitiligo posa para ensaio sensual e dá aula de autoestima

A modelo brasileira Barbarhat Sueyassu é portadora de vitiligo e quebra os padrões da indústria da moda com seu trabalho.

Quebrando padrões

Barbarhat Sueyassu é portadora do vitiligo, uma condição que deixa sua pele com diversas manchas pelo corpo. Apesar de sua pele ser diferente, isso não impediu a jovem de buscar seu sonho de ser modelo; e ela o alcançou. Atualmente, a ruiva participa de vários eventos do mundo da moda e posa para várias grifes famosas. Com apenas 22 anos, Barbarhat já é referência quando o assunto é vitiligo. A modelo recentemente foi protagonista de um ensaio nu intitulado "Skin Project" (Projeto Pele, em português), realizado pelo fotógrafo Brunno Rangel e o diretor de arte Marcelo Feitosa.

Com o lema "Porque debaixo da roupa somos todos pele", o intuito do projeto é fotografar pessoas que possuem algum tipo de peculiaridade em suas peles, e faz muito sucesso nas redes, principalmente no Instagram. Nele, Barbarhat esbanja beleza e sensualidade ao lado de outras personalidades, que também foram fotografadas sem roupas e sem retoques por programas de computador. Sueyassu, além de modelo, é também psicóloga e ministra palestras explicando sobre o vitiligo e ajudando a acabar com o preconceito que existe em relação aos portadores da doença.

Uma vida de superações

Em entrevista, a ruiva conta sobre o começo, desde quando ficou sabendo que portava o vitiligo: "Tenho vitiligo desde os 4 anos de idade e tudo começou com uma pequena ilha branca no meu pé e na minha mão. Logo que fui diagnosticada com vitiligo, meus pais procuraram os melhores médicos e os mais diversos tratamentos para eu realizar". Ela conta também que levou um tempo para que ela se aceitasse do jeito que é. "Após incansáveis usos de medicamentos e tentativas frustrantes de voltar com a minha cor original, decidi parar de fazer tratamento e me aceitei do jeito que sou. Mas para que essa aceitação ocorresse fiz alguns anos de terapia com uma psicóloga maravilhosa que me ajudou a sempre passar por cima de quaisquer situações que de alguma forma poderiam afetar o meu psicológico e a minha autoestima", relatou Barbarhat.

Mas e em relação à sua vida social? Ela responde: "Sofri bastante bullying mas NUNCA rejeição, pois eu não me abatia ou me sentia inferior a outras crianças. Muito pelo contrário, sempre fui rodeada de amigos e pessoas queridas que me ajudaram a ser afrontosa com aqueles que me ofendiam." A gata também revela seus motivos para ter escolhido a psicologia como curso superior: "Atualmente estou no 4° ano de Psicologia justamente por ter me apaixonado por cada coisa que a terapia me ensinou, fazendo com que hoje eu almeje trabalhar especificamente na clínica com pessoas com doenças de pele".

Amor pelas manchas

Hoje, ela conta que se ama do jeito que ela é, com todos suas peculiaridades e defeitos. "Por incrível que pareça eu AMO em um grau absurdo cada mancha do meu corpo. As vezes me perguntam se eu preferia voltar a ter a minha cor original ou ser totalmente branca, minha retórica é: nem um nem outro, eu quero mesmo é ser do jeito que sou! Eu amo tanto mais tanto a minha unicidade que ficaria até triste se eu não tivesse vitiligo", disse a modelo. E também aproveita para deixar um recado a todos que possuem vitiligo e que são de alguma forma humilhados pela doença e cuja pele do portador é comparada à uma obra de arte: "Recado para as pessoas que tem vitiligo: de forma alguma deixem de sair de casa ou deixem de andar com roupas que apareçam o vitiligo, sejam felizes com o que vocês são, os padrões de beleza estão mudando e tenho certeza que a sua diferença chamará atenção para a arte que se expressa em sua pele."

Escrito por Gouvea Aline
Última modificação

Sem Internet
Verifique suas configurações