Desfile para adoção de adolescentes gera revolta na internet
Desfile para adoção de adolescentes gera revolta na internet
Leia mais

Desfile para adoção de adolescentes gera revolta na internet

Um desfile para mostrar crianças e adolescentes para adoção causou revolta nos brasileiros.

"Adoção na Passarela"

Na última semana, um desfile gerou muita polêmica e revolta nas redes sociais e em todo o território nacional. Longe de ser um desfile de moda, os "modelos" que desfilaram na passarelas eram todos crianças e adolescentes para adoção. Chamada de "Adoção na Passarela", o evento foi realizado em Cuiabá, no Mato Grosso e realizada pela Associação Mato-grossense de Pesquisa e Apoio à Adoção (Ampara). Em parceria com a Comissão de Infância e Juventude (CIJ) da Ordem dos Advogados do Brasil, 18 adolescentes com mais de 12 anos desfilaram em uma passarela montada em um shopping de Cuiabá para mais ou menos 200 pessoas que acompanharam o evento. Além disso, algumas lojas de roupas e calçados patrocinaram o evento, doando vestimentas para as crianças desfilarem.

O evento recebeu duras críticas em relação à sua natureza. O advogado do Mato Grosso Eduardo Mahon afirmou, em entrevista à BBC Brasil, que "As crianças na passarela, para pretendentes ver o quão bonitas, simpáticas e desenvoltas são, parece-me uma antiga feira de escravo, onde os senhores viam os dentes e o corpo dos africanos para negociar o lance. Não acho legal, aliás, acho péssimo". Além dele, milhares de internautas acharam o desfile deveras problemático. O advogado continuou: "Se um desfile já pode dar azo a dupla interpretação, a ideia dos organizadores foi infeliz em fazer o ato em um shopping, que é, por essência, um local de consumo", disse ele.

Polêmica nas redes

A presidente da Ampara e uma das responsáveis pelo desfile, Lindacir Rocha Bernardon tentou justificar o evento, alegando que seria uma forma de dar visibilidade às crianças e adolescentes que estão esperando há muito tempo na fila para adoção: "Somente crianças acima de 12 anos desfilaram. Todas já foram vistas por diversas famílias, em abrigos, mas ninguém adotou. Ao todo, 16 famílias participaram do evento, com os filhos", afirmou a organizadora. Segundo ela, o desfile serviria também para evidenciar os benefícios que uma adoção pode trazer às famílias. Ela alegou também que tudo estava dentro da justiça: "O juiz permitiu a realização do desfile. Nós somos uma instituição séria, não brincamos com crianças", afirmou.

Respostas ao evento

Nas redes sociais, o evento recebeu muito mais críticas que elogios. Manuela D'Avila, ex-deputada federal pelo PCdoB desabafou sobre o desfile em seu perfil no Instagram: "Acho que essa é uma das notícias mais tristes que li. Crianças em uma passarela, cheias de sonhos e desejos, buscando aprovação a partir de um desfile, como se parar amar um filho tivéssemos que admirá-los fisicamente", disse.

Outros internautas também ficaram indignados com a ideia. Um deles comparou o desfile a uma feira de adoção de pets: "Triste. Feira de adoção? Como se fossem pets. Ficou parecendo leilão de boi, por essa eu realmente não esperava".

A defensoria pública do estado do Mato Grosso também emitiu um recado repudiando a ação, ressaltando as consequências negativas do processo: "Corre-se o risco de que a maioria dessas crianças e adolescentes não seja adotada, o que pode gerar sérios sentimentos de frustração, prejuízos à autoestima e indeléveis impactos psicológicos". Para complementar, a instituição afirma que o evento "passa uma ideia de mercantilização, fato que não coaduna com os princípios norteadores da Constituição da República Federativa do Brasil (CF/88) e do Estatuto da Criança e Adolescente (ECA)."

Fonte: BBC Brasil Imagem: OAB-MT

Escrito por Andressa Zabeu

Sem Internet
Verifique suas configurações