Tigres e rinocerontes: após clamor global, a China volta atrás em sua decisão

Tigres e rinocerontes: após clamor global, a China volta atrás em sua decisão

Pequim, que havia recentemente autorizado novamente a exploração desses dois animais em grande perigo de extinção, está reconsiderando a autorização de venda de pó de chifre de rinoceronte e de ossos de tigre.

Pudemos ver que pressão, petições, manifestações não são em vão. Diante da ira mundial das associações de animais silvestres, a China finalmente manterá, por enquanto, a proibição total do comércio de produtos de tigres e rinocerontes.

Meia volta volver!

"Após um estudo, a publicação de regras detalhadas foi adiada", disse Ding Xuedong, vice-secretário geral do Conselho de Estado.No momento, "as proibições continuarão a ser aplicadas", acrescentou ele, referindo-se à importação, exportação, venda, transporte ou uso de produtos de tigre ou rinoceronte. De acordo com este alto funcionário, a luta contra o comércio ilegal desses produtos continuará e os atos ilegais serão "tratados com severidade".

Leia também
Um bebê tigre em péssimo estado foi resgatado do circo onde era maltratado

Impedir ou incentivar o tráfico?

No final de outubro, o governo havia anunciado que a venda de produtos, tais como ossos de tigre e chifres de rinoceronte seria re-autorizada em condições "especiais": para a pesquisa científica, para o comércio de obras de arte ou ainda para pesquisa e tratamentos médicos, especialmente contra o câncer.

Se este anúncio foi um pouco reconfortante com relação a um possível aumento no tráfego de caça ilegal, as associações não o ouviram dessa maneira. Enquanto a China garante que os derivados médicos de tigres e rinocerontes só vêm de animais criados em fazendas, argumentando até mesmo que o tráfico assim pararia, não é possível comprovar ou determinar, depois de virar pó, se os animais vieram da África ou de fazendas chinesas.Uma decisão sábia que nos alegra hoje, mas como Pequim anunciou que é somente uma proibição temporária… será esse um passo atrás para depois dar um salto maior?

• Bruna Moura
Leia mais