Sequestrada por 21h, ela foi salva graças a uma selfie
Sequestrada por 21h, ela foi salva graças a uma selfie
Leia mais

Sequestrada por 21h, ela foi salva graças a uma selfie

A gente gosta de zoar quem tira selfie, mas dessa vez, ela salvou uma vida. Martha Dolak, sequestrada durante 21h por seu namorado, conseguiu sair graças a uma simples foto do rosto.

A história sombria começa com um simples SMS. Uma amiga de Martha Dolak contou que estava preocupada com o namorado da amiga, Michael Goodwin, e a aconselhou a terminar. Infelizmente, ele acabou vendo a mensagem. Ela conta: "Quando Michael viu a mensagem, ele ficou pálido. Eu estava aterrorizada e tentei pegar minhas coisas para ir embora. Ele me disse que eu não podia ir e que as duas portas estavam trancadas com chave. Fui até a janela para ver se podia pular sem me machucar, mas de repente, senti uma dor intensa e não me lembro de mais nada."

O sequestro durou 21 horas

A modelo se viu no chão com a cabeça e o rosto machucados. Ela acordou na cama em seguida, incapaz de se mover, com dores intensas na cabeça e um olho paralisado. Ela resolveu tirar uma foto do rosto para ver a dimensão do estrago. Chocada com a própria imagem no telefone, ela imediatamente a enviou para uma amiga pedindo ajuda. Foi nesse momento que ela percebeu que o namorado tinha batido em sua cabeça.

O pai de Martha foi até à delegacia para mostrar a foto e informar a agressão. "A polícia foi até o antigo endereço de Michael. Sua irmã disse que eu tinha caído da escada. Ela veio até o apartamento em seguida para avisar Michael que a polícia estava atrás dele. Foi aí que eles resolveram, com relutância, me levar ao hospital." explicou ao Sun. Se ficasse mais tempo sem cuidados, ela poderia ter perdido a vida.

Hoje, Michael Goodwin está preso, mas sua ex-namorada ficou com um dano permanente no nervo óptico. Essa história aconteceu em 2017, mas Martha Dolak só decidiu falar agora. Ela tinha vergonha do acontecido. Mas ela resolveu falar para evitar que esse tipo de coisa aconteça com outras mulheres.

Escrito por André Lourenço

Sem Internet
Verifique suas configurações