Ramadã: calendário, definição, origem... tudo que você precisa saber sobre essa festa
Ramadã: calendário, definição, origem... tudo que você precisa saber sobre essa festa

Ramadã: calendário, definição, origem... tudo que você precisa saber sobre essa festa

Todos os anos, os muçulmanos festejam o Ramadã como evento essencial da vida religiosa. OhMyMag te conta o que é essa festa solene e explica tudo sobre suas origens.

Datas do Ramadã

O Ramadã dura 29 dias e acontece durante o 9º mês do calendário muçulmano (calendário lunar). Em nosso calendário civil, a data de início do Ramadã é antecipada em média em 11 dias a cada ano, já que o calendário lunar é mais curto. O mês do Ramadã se adianta a cada ano e atravessa as estações. Em 2018, o Ramadã será festejado de 15 de maio a 14 de junho.

Origem do Ramadã

Principal período espiritual dos muçulmanos, o Ramadã representa um dos 5 pilares do islã. É o momento em que o Alcorão foi revelado ao profeta Maomé, o que significa que ele recebeu de Deus (Alah em árabe) os primeiros versículos.

Ramadã é também o nome do 9º mês do calendário lunar hegírico e pode ser traduzido como "calor intenso". Bem antes da chegada do islã no mundo árabe, a celebração dos calores do verão já era realidade. Foi então no calendário lunissolar pré-islâmico que o Ramadã encontrou sua origem estival e cultural mais distante.

Empregado de forma indiferente hoje para designar o mês santo ou o jejum prescrito para esse período, o Ramadã relembra esse período solene de purificação, de caridade e de recolhimento que existe em outras religiões, como a quaresma dos cristãos ou o Yom Kippour dos judeus.

Tradições do Ramadã

Mês santo por excelência, o Ramadã é um mês de jejum e orações, em que os muçulmanos fazem um balanço pessoal. Eles podem se reconciliar com os próximos e se purificar dos pecados.

Toda manhã, antes do nascer do sol, os muçulmanos se levantam. Eles tomam um café da manhã consistente, seguido de abluções (purificação ritual) e orações. O jejum do Ramadã é absoluto até o pôr do sol. Isso significa que além do consumo de álcool, alimentos ou sexo, a água também é proibida.

Mais espiritualmente, as atitudes, palavras e pensamentos desviados são o alvo do Ramadã. A ruptura diária do jejum acontece no pôr do sol. Ela ocorre entre amigos ou familiares em torno da sorpa, uma sopa bem forte feita com carne e legumes. Alguns interrompem o jejum com uma tâmara e um copo de leite, assim como Maomé.

Aproximadamente depois de vinte dias de jejum, os muçulmanos festejam a noite do destino, chamada de Laylat al-Qadr. Ela comemora a descida do arcanjo Gabriel, que revelou ao profeta os primeiros ensinamentos de Alah.

Em seguida vem a Aïd al-Fitr, uma festa que simboliza o fim do jejum e que dura cerca de 3 dias. Nesse evento, os muçulmanos vão às mesquitas, onde são organizados grandes banquetes tradicionais com distribuição de presentes para as crianças.

Escrito por Pedro Souza
Última modificação

Sem Internet
Verifique suas configurações