Mulher deu à luz, mas saiu apenas a cabeça: o corpo ficou preso por horas

Mulher deu à luz, mas saiu apenas a cabeça: o corpo ficou preso por horas

O que deveria ter sido o bom momento para trazer seu filho ao mundo, se tornou uma tortura. Esta jovem agora pensa em denunciar o hospital por negligência médica.

Kagiso Kgatla, uma garota sul-africana de 19 anos, foi ao Tambo Memorial Hospital para dar à luz seu bebê. Ela só tinha 6 meses de gravidez, mas o parto já havia começado.

Foi uma gravidez de alto risco, porque os médicos detectaram em um estágio inicial da gravidez que a criança poderia ter alguns problemas. Apesar de ter a opção do aborto, Kagiso decidiu continuar com a gravidez.

Como você pode ver no vídeo, a descrição de Kagiso fez de seu parto torna óbvio que algo estava errado e os médicos não sabiam o que fazer. Há muito poucos casos registrados de nascimentos em que o corpo do bebê fica bloqueado no canal vaginal. A maioria deles tem a ver com a má gestão do parto pela equipe médica, que deveria ter realizado uma cesariana.

Kagiso planeja denunciar o hospital não apenas por causa da experiência traumática, mas por causa das consequências físicas e psicológicas sofridas por ela e seu filho (que está entre a vida e a morte).

A violência obstétrica é considerada pelas Nações Unidas como um tipo de violência de gênero. Estas são situações muito frequentes em artos de todo o mundo, mas elas não têm nada a ver com qualquer necessidade médica, mas sim com a discriminação evidente contra as mulheres em um momento tão delicado.

Estamos falamos da falta de informação sobre o que está sendo feito com o corpo da mãe, do tratamento paternalista ou pejorativo, do abuso ou fornecimento incorreto de medicação de acordo com interesses que não são nem da mãe e nem do feto, intervenções por protocolo, etc.

Leia também
Mulher cria bonecas tão realistas que quase acaba na prisão

Episódios de violência que são cometidos em um abuso de confiança que a mãe coloca na equipe médica, que deveria garantir a saúde e o melhor interesse do paciente. Mas não é assim. Esperamos que Kagiso encontre na justiça o alívio que o pessoal médico não soube dar a ela com sua incompetência.

Fonte: The Sun

André Lourenço
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações