Pais tomam medidas drásticas contra filho de 30 anos que não quer sair de casa
Pais tomam medidas drásticas contra filho de 30 anos que não quer sair de casa
Leia mais

Pais tomam medidas drásticas contra filho de 30 anos que não quer sair de casa

Alguns filhos resistem ao fato de terem que, um dia, sairem da casa dos pais. Nesse caso, eles foram à justiça contra o desejo do próprio filho de se mater em sua casa.

Christina e Mark Rotondo são pais de Michael Rotondo, um rapaz de 30 anos que, há oito anos atrás, perdeu o emprego e voltou a morar com a família. Christina e Mark alegaram que o filho não ajudava em nada nos afazeres domésticos e tampouco com o aluguel. Após um longo período de brigas e discussões, os pais resolveram entrar na justiça para que Michael saísse da casa deles. E foi isso que acabou acontecendo.

As várias cartas de despejo

No total, foram 5 cartas de despejo formuladas por Christina e Mark desde o começo do ano, mais especificamente desde fevereiro. A primeira carta foi bem informal:

"Após discutir o assunto com sua mãe, decidimos que você deve deixar essa casa imediatamente". Michael apenas ignorou a mensagem. Pouco tempo depois, os pais redigiram uma carta propriamente dita, com a ajuda de um advogado:  "Você está sendo despejado por meio desta", lia-se no documento assinado pela mãe. 

Os pais alegam que incentivaram de várias maneiras o filho para que ele arrumasse outro emprego, chegando a oferecer US$ 1,1 mil (mais ou menos 4 mil reais) para que ele tivesse um incentivo financeiro para deixar a casa dos pais. As demais cartas apresentavam alguns comentários pessoais dos pais sobre o filho: "Há empregos disponíveis para aqueles com um histórico profissional ruim como o seu. Consiga um - você precisa trabalhar". 

Em outra, "Não notamos nenhum sinal de que você está se preparando para sair. Saiba que tomaremos as medidas necessárias para garantir que você saia de casa como foi ordenado." 

Já no mês de abril, ainda não notando sinais de que o filho se mudaria, escreveram outra carta pedindo para que ele tirasse seu carro quebrado de frente da garagem da casa. 

E, mesmo assim, nada; Foi quando os pais desistiram de conversar e recorreram à Justiça.

Prazo final e despejo

Durante o processo, Michael abriu mão de advogados e decidiu defender a si mesmo. Ao ler a decisão judicial que teria de deixar a casa dos pais imediatamente, rebateu dizendo que o prazo era muito pequeno e que precisaria de pelo menos seis meses para se ajeitar. 

O rapaz de 30 anos reconheceu que gastou todo o dinheiro que recebeu dos pais com coisas supérfluas e também que não ajudava nas tarefas domésticas. Michael afirma ter um emprego mas não quis falar sobre ele no processo: "Meus negócios são meus negócios." 

Michael não convenceu o juiz, que declarou a sentença e o despejo. Apenas 2 horas antes do prazo final, Michael finalmente arrumou suas coisas e decidiu partir. 

Durante a sua saída, o rapaz, após guardar suas coisas em seu carro, ligou para a polícia alegando que o pai não o deixou entrar para pegar alguns jogos de Lego, que supostamente pertenceriam a seu filho, de 8 anos. Os policiais chegaram e, no meio da confusão, as peças de Lego apareceram. 

Que história!

Escrito por Gouvea Aline

Sem Internet
Verifique suas configurações