Frugivorismo: você sabe como funciona esta vertente do vegetarianismo?

Frugivorismo: você sabe como funciona esta vertente do vegetarianismo?

Comer só frutas, em todas as refeições: é desta forma que vivem os frugívoros.

A busca por uma alimentação saudável é cada vez mais comum entre pessoas de diferentes idades. É consenso entre médicos e outros profissionais da área da saúde que devemos incluir mais vegetais e frutas no nosso cardápio diário, mas você sabia que existem pessoas que alimentam-se apenas de frutas? 

Isso mesmo: os frugívoros, como são chamados, ingerem unicamente frutas em todas as refeições do seu dia a dia, sejam elas cruas ou cozidas. Este tipo de alimentação é considerado uma das vertentes mais seletivas do vegetarianismo, mas, os adeptos não consomem nenhum tipo verdura, folha, cereal, ovo, leite ou seus derivados. 

Por outro lado, partindo do ponto de vista botânico da análise, é permitido comer, por exemplo, pepino ou tomate (que são considerados frutas), assim como alguns tipos de grãos. Em geral, as pessoas que seguem o frugivorismo consomem cerca de dois quilos de frutas no almoço e mais dois no jantar, além de porções de sementes, nozes ou polpa de coco para estimular a nutrição vitamínica.

Além do emagrecimento, a dieta frugívora promove a limpeza do organismo, a organização celular e estimula a concentração de fibras no corpo. É também uma alimentação ecológica, que ajuda a preservar o meio ambiente. 

Mas, antes de mudar radicalmente a sua rotina alimentar, é fundamental consultar um médico ou nutricionista para evitar problemas como anemia ou desnutrição. As frutas têm fibras, carboidratos, minerais e vitaminas, mas podem não ser suficientes para suprir todos os nutrientes que o nosso corpo necessita. 

A falta de proteínas e de gordura, por exemplo, são um grave problema. Segundo especialistas, encontra-se gordura apenas no coco e no abacate – o que significa que estas duas espécies são fundamentais numa dieta frugívora

Para iniciar:

Como se trata de um conceito que envolve mudanças bem radicais na alimentação diária, os praticantes devem ter calma e cuidado. O ideal é começar a mudar o cardápio aos poucos, substituindo apenas uma refeição, como jantar ou o café da manhã, pelo consumo exclusivo de frutas. E, paralelamente, ir reduzindo a ingestão de outros alimentos até que o seu organismo fique adaptado e a mudança esteja completa. 

As alterações graduais na alimentação previnem o risco de doenças e evitam que a pessoa sinta fraquezas ou outros sintomas durante o processo e acabe desistindo no meio do caminho. 

Os riscos:

Não são todos os profissionais da saúde que concordam com o frugivorismo, muitos, inclusive, são totalmente contra. Eles alegam que, apesar das frutas serem importantíssimas para uma alimentação saudável, não é aconselhável cortar totalmente um macronutriente (proteínas, lipídios e carboidratos) da nossa vida. 

Para eles, uma dieta frugívora não deve ser adotada em longo prazo, pois pode ocorrer um déficit de vitamina B12, por exemplo, uma vez que este nutriente chega ao nosso organismo quase que exclusivamente por meio de alimentos de origem animal — e também de colágeno, uma proteína fundamental para a pele e as articulações.

O risco de adotar uma alimentação restrita como esta é maior para as mulheres, devido às questões hormonais que as assolam. Para ter uma vida saudável, uma mulher deve ter em seu corpo uma massa gorda que ronde 24% e nunca menor do que 18%. Mas, cada caso deve ser analisado de forma individual, de acordo com a saúde e a rotina de cada pessoa.  

• Pedro Souza
Leia mais