Conheça a indígena que arrasou em um concurso de beleza

Conheça a indígena que arrasou em um concurso de beleza

Seu nome e Yukaima González e ela nunca pensou que sem ter os olhos claros ou os cabelos loiros ela pudesse participar de um concurso de beleza. Sua beleza indígena deixou os jurados atônitos. 

Yukaima pertence ao povo Huichol, uma das comunidades indígenas mais antigas do México. Os huicholes estão assentados em diversas zonas da Serra Madre Ocidental ou Serra Huichola, entre os estados de Durango, Jalisco e Nayarit. 

Yukaima e o nome indígena desta mulher de 18 anos, estudante de Cultura Física e Ciências Desportivas. Seu nome civil e Maria Isabel. Mas ela não o usa. Na cultura huichol são os avos que dão o nome indígena a seus netos. O nome não se escolhe, se sonha. 

Entre os muitos outros sonhos dos Huicholes nunca esteve o de ganhar um concurso de beleza. Os colonos encarregaram-se de convencer as mulheres indígenas que elas não eram belas, de que somente as mulheres loiras, altas e de olhos claros podiam participar e ganhar este tipo competição. 

Foi um amigo fotógrafo de Yukaima que disse que ela era muito bonita e a animou a participar do concurso de Nayarit. Felizmente, Yukaima aceitou, apesar de ser uma menina muito tímida e com um medo horrível de falar em público. 

A história de Yukaima não é, certamente, a de uma menina tímida que ganhou um concurso de beleza. E a história de uma vitória da cultura indígena contra a discriminação a que ela vem sendo submetida a séculos. 

Leia também
A imagem de um rinoceronte chocou os jurados de um dos maiores concursos de fotografia do mundo

Yukaima não pode deixar de homenagear como referência Yalitza Aparício, atriz mexicana de origem independente recentemente indicada ao Oscar pelo filme Roma, de Alfonso Cuarón.Yukaima a considera uma companheira na luta pelos direitos das comunidades indígenas. 

Apesar de reconhecer que ventos de esperanças sopram nas comunidades indígenas, ainda há muito pela frente na conquista da igualdade de direitos e reconhecimento da cultura indígena. É preciso estar cedo para não reconhecer o valor de sua luta e a sua beleza de traços indígenas. 

Gabriela Raposo
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações