Vídeo: mulher é agredida na rua após reagir a assédio
Vídeo: mulher é agredida na rua após reagir a assédio
Vídeo: mulher é agredida na rua após reagir a assédio
Leia mais

Vídeo: mulher é agredida na rua após reagir a assédio

Jovem mulher é insultada e responde ao agressor. O homem volta atrás e a agride em seu rosto.

Algumas mulheres, em ambientes coletivos, como em ônibus, metrôs, ou mesmo nas ruas das cidades, escondem-se detrás de livros e cobrem-se de diferentes formas. Outras mantém a cabeça sempre baixa. Mas, finalmente, cada vez mais jovens parecem, enfim, querer enfrentar o olhar agressivo dos homens, autores de abusos cotidianos nas ruas de todo o mundo.

É isso que se revela pela voz cada vez mais alta de mulheres que testemunharam a agressão de Marie Laguerre, na última quarta-feira, no 19º em Paris. Essa jovem mulher voltava tranquilamente para sua casa quando um homem fez comentários abusivos. “Sem chance, não foi o primeiro do dia e eu já estava cansada. Então, eu joguei um ‘Vai se *****’ e segui o meu caminho”, conta ela mesma em sua página de facebook.

Reativamente, o agressor não pensou duas vezes em dar meia volta e estapeá-la em seu rosto diante de dezenas de pessoas sentadas em uma cafeteria. Indignada, a corajosa jovem depôs contra o homem que a agrediu.A resposta de Marie Laguerre não parou por ali. Ela manifestou-se em todas as suas redes sociais. Em seu Twitter, ela disse: “Porque eu respondi ao seu abuso, um homem me bateu em plena rua, em pleno dia, diante de dezenas de testemunhas. Inadmissível. Abaixo ao abuso nas ruas!”, adicionando por fim uma série de hashtags em favor da mulheres.

A atitude da jovem gerou centenas de comentários em apoio. Alice Coffin, por exemplo, respondeu à publicação de Marie: “Todo apoio e agradecimento por ter deposto da forma que fez. Essas agressões são incessantes e mais, esses homens, de Dominique Besnehard a Tex, acham que agredir mulheres é assunto para se rir”, disse a internauta, mencionando outros casos correlatos. Marie Laguerre parece ter dado a dezenas de jovens a força necessária para responder e reagir às agressões diárias sofridas por mulheres.

Outra jovem parisiense, Oriane, de 24 anos, conta que também passou por um abuso parecido na última segunda-feira. “Eu estava andando na calçada. Um motorista me olhou de forma perversa. Ele buzinou para mim e me disse que eu deveria agradecê-lo”. Depois de passar por dezenas de situações parecidas em seus poucos anos de vida, a jovem mulher teme passar por repreensões mais agressivas. Ela conta que não hesitou em responder ao assediador: “Ninguém mandou você buzinar para mim, vai se ferrar!”.

Escrito por Pedro Souza
Última modificação

Sem Internet
Verifique suas configurações