O primeiro Starbucks para pessoas surdas abrirá suas portas em breve nos EUA
O primeiro Starbucks para pessoas surdas abrirá suas portas em breve nos EUA
O primeiro Starbucks para pessoas surdas abrirá suas portas em breve nos EUA
Leia mais

O primeiro Starbucks para pessoas surdas abrirá suas portas em breve nos EUA

Em outubro, a Starbucks abrirá em Washington a primeira filial para pessoas surdas e com dificuldades auditivas. Uma iniciativa que visa combater a discriminação no trabalho.

Ainda este ano, a Starbucks abrirá sua primeira filial para pessoas surdas e com dificuldades auditivas. Serão abertas de 20 a 25 vagas para funcionários com essa deficiência e que possam se comunicar na linguagem americana de sinais. É a primeira Starbucks deste tipo a abrir suas portas nos Estados Unidos e a segunda no mundo: a primeira foi implantada na Malásia, em 2016.

Em comunicado oficial, a filial da logo verde insiste em sua vontade “de se engajar na inclusão, na acessibilidade e na diversidade”.

Um bairro inteiro adaptado para pessoas surdas e com dificuldades auditivas

Os membros da equipe poderão comunicar-se na língua de sinais americana, que é diferente das demais línguas de sinais do mundo, como a brasileira e a portuguesa. Vale destacar que existem entre 121 e 142 línguas de sinais diferentes. Ainda assim, pessoas surdas e com dificuldades auditivas de origens diferentes conseguem se entender, pois as bases são as mesmas. Ao abrir essa filial especial, a Starbucks pretende ajudar essa população que normalmente sente-se excluída. O café ficará próximo da Gallaudet University, uma universidade particular que oferece acessibilidade total às pessoas surdas e com dificuldades auditivas. A região geográfica foi pensada para que os comércios adaptem-se às normas para deficientes.

O site da BBC revelou dois tipos de reações no twitter. Existem aqueles que acham a iniciativa super interessante, pois permite que os funcionários encontrem um trabalho adaptado a sua deficiência, favorecendo a comunicação entre colegas e clientes. Para o público, pode ser um local de reunião, onde é possível encontrar-se sem enfrentar a barreira da linguagem. Outras reações mostram-se menos entusiasmadas: alguns acham idiota concentrar todos os esforços em uma única loja, em vez de favorecer a integração em todas as lojas “clássicas”.

Escrito por Agostinho De Freitas
Última modificação

Sem Internet
Verifique suas configurações