Caso Maddie: notícias tristes abalam a família 11 anos depois

Caso Maddie: notícias tristes abalam a família 11 anos depois

Há mais de onze anos, os pais da pequena Maddie têm procurado a filha que desapareceu durante as férias em Portugal. Para isso, eles vão regularmente ao público e apelam às testemunhas para obterem pistas - até agora em vão. Agora eles têm que engolir outra pílula amarga.

Maddie McCann tinha quatro anos de idade quando desapareceu na praia da Luz, Algarve, em 3 de maio de 2007. Passaram-se 11 anos desde o seu desaparecimento e ainda não se sabe o que aconteceu à menina inglesa. São muitas as teorias, desde os pais da menina estarem envolvidos a um alegado raptor identificado por um homem de identidade espanhola.

Os pais de Madeleine continuam a acreditar que um dia a menina irá aparecer. Certo é que poucos acreditam que Maddie – a menina com uma mancha no olho direito – ainda esteja viva.

Polícia britânica recebe 12,6 milhões de euros para a investigação

Um porta-voz do governo britânico assegurou que o governo continua a ter interesse nesta investigação: «o governo continua empenhado na investigação ao desaparecimento de Madeleine McCann».

O pedido de mais verbas foi feito em fevereiro e ao longo da última década foram feitos vários «reforços» a nível financeiro para que a Operação Grange, como é denominada, continuasse.

Leia também
Mulher cria bonecas tão realistas que quase acaba na prisão

De acordo com o jornal britânico Telegraph, desde 2011 foram investidos cerca de 11 milhões de libras (12,6 milhões de euros ao câmbio atual).

Para esta investigação, foi acordado que o governo garantiria cerca de £ 154.000, ou seja, cerca de 176.196 mil euros, a cada seis meses.

Detetive Collin Sutton considera «quase impossível» encontrar Maddie McCann

Collin Sutton, um antigo prestigiado detective da Scotland Yard afirmou que «não entende» como é que a investigação do desaparecimento de Maddie McCann continuar a ser financiada, tendo em conta que é «quase impossível» encontrar a menina.

Collin Sutton, que em 2007 foi um dos nomes apontados para liderar a investigação, revelou a uma televisão australiana que acredita que os últimos 200 mil euros investidos no caso de Maddie são recursos desperdiçados. O detective, que defende a teoria de que o cadáver de Maddie pode estar num dos mais de 600 poços antigos do Algarve, garante que passados 11 anos, encontrar a menina é um objectivo irreal.

Gouvea Aline
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações