Noivos celebram dois anos de união com casamento viking

Noivos celebram dois anos de união com casamento viking

Casamento viking aconteceu na Noruega e foi celebrado por um sacerdote pagão, que realizou até um ritual com sangue. No cardápio, porco assado inteiro e bebida tradicional servida em chifres

Um casal norueguês oficializou a união de dois anos em um casamentoviking. A cerimônia, inspirada em tradições que datam de mil anos, contou com barcos, um sarcedote pagão e até oferenda de sangue! Elisabeth e Rune Dalseth se casaram à beira de um lago da Noruega em agosto.

Eles seguem o paganismo e são apaixonados pelas tradições vikings. Os noivos se inspiraram nos casamentos realizados na Escandinávia por volta do século X, quando os guerreiros nórdicos dominavam as terras da Noruega, Suécia, Dinamarca e outras regiões da Europa. Os noivos aproveitaram a festa ao lado de 130 convidados, que usavam trajes de época. Para o menu do casamento, um porco inteiro foi assado e foram servidas doses de hidromel.

Segundo as antigas tradições, Rune, que tem uma empresa de carpintaria, chegou de manhã cedo ao lago com dez de seus melhores amigos antes de levantar as velas do barco feito especialmente para a ocasião por um artesão local. Enquanto os convidados se acomodavam, um berrante tocou para marcar o início da cerimônia.

Elisabeth chegou em um vestido branco, de braços dados com seu pai, em um dos poucos momentos que lembraram os casamentos convencionais. Posteriormente, ela vestiu um robe vermelho sobre a peça. Um caldeirão com sangue de porco foi colocado em uma pilha de pedras e depois derramado sobre pequenas imagens que representavam deuses pagãos. Antes de dizer os votos segurando uma espada, o casal participou do ritual, no qual um sacerdote pagão esfregou o sangue na própria testa. "É feito para simbolizar a união dos deuses e das pessoas", contou a noiva.

O momento seguinte surpreendeu os convidados, já que o sacerdote afirmou que as duas famílias deveriam competir em uma corrida, conforme o costume antigo conhecido como Brullaup. Os familiares da noiva venceram a competição, e o castigo para os perdedores foi servir álcool os demais convidados ao longo da noite. A festa de casamento foi até o sol raiar no dia seguinte.

"Não tínhamos Spotify. Em vez disso, dançamos a música ao vivo que nossos ancestrais dançaram mais de um milênio atrás", conta Elisabeth, que era dona de um salão de beleza e não sabia nada sobre tradições escandinavas até conhecer o marido em um bar há dois anos. "Rune abriu um mundo novo pra mim e eu logo me apaixonei pelas pessoas e pela espiritualidade de tudo", derrete-se.

Leia também
Jovem convida a mãe para comemorar sua "formatura", mas ela descobre uma adorável surpresa

Os pais do pequeno Ragnar, de seis meses, ficaram noivos em um festival tradicional no ano passado e começaram a planejar a cerimônia, que, segundo o casal, é um dos primeiros casamentos à moda viking desde o desaparecimento do povo no século XI. Eles enfrentaram uma certa resistência da família quanto ao tema do casamento, mas, no fim, tudo deu certo. "Ficamos muito felizes por todos estarem dispostos a se juntarem a nós e se mostrarem abertos ao nosso estilo de vida", afirma Rune.

O casal também chama de preconceito a ideia de que os vikings foram um povo usurpador, movidos pelo gosto por violência, estupros e pilhagem. "As pessoas não mencionam que os vikings foram pessoas que apreciavam muito a natureza, a terra e a vida animal. Queremos que as pessoas tenham mais consciência disso", explica.

Tá aí uma boa inspiração para os fãs de séries como Game Of Thrones e Vikings, não é mesmo? 

• Bruna Moura
Leia mais