A triste morte da cachorrinha predileta da rainha sacudiu a família real

A triste morte da cachorrinha predileta da rainha sacudiu a família real

Tristes notícias do Castelo de Windsor. Ironicamente, logo antes do casamento de Harry e Meghan, a notícia de uma morte sacodiu a casa real.

A rainha Isabel II é uma apaixonada por cachorros, mas especialmente pelos da raça Pembroke Welsh Corgi. Com 7 anos de idade, Jorge VI, o pai da rainha, deu de presente seu primeiro corgi. O corgi é uma raça de cachorro de origem inglesa com patas curtas, uma cara semelhante a uma raposa e sem rabo.

Nos seus 18 anos, a rainha recebeu um de seus melhores presentes: Susan, a sua primeira corgi. Ela deu origem a uma grande linhagem de cachorros corgis que acompanham a família real há mais de 65 anos. 

Leia também
16 fotos de cães antes e depois que foram resgatados

Recentemente a rainha perdeu a sua última cachorrinha de uma descendência de mais de 30 corgis. Toda a família ficou abalada pela morte de Willow, mas especialmente a rainha Isabel II. Os jornais britânicos comunicaram que a cadelinha era uma das mais amadas pela rainha. Ela chegou a levá-la para a sua lua de mel com o duque de Edimburgo. 

Uma luta contra o câncer

Willow faleceu com 14 anos após um câncer. Ele pertencia a 14ª geração de corgis que começou com Susan, a cachorrinha que a rainha ganhou de aniversário aos 18 anos. Segundo o Daily Mail, a rainha quis poupar a sua amada cadela do sofrimento e, por isso, optou pela eutanásia. 

Os corgis da rainha eram estrelas

Willow teve uma vida emocionante e uma grande quantidade de fãs devido a suas aparições estelares em público. A maior delas foi em uma publicidade protagonizada pela rainha Isabel II na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de 2012. Willow dividiu a cena com Daniel Craig, intérprete de James Bond. Os corgis da rainha eram conhecidos em todo o mundo. Estavam em diversas capas de revistas conhecidas como a Vanity Fair. Também podemos ver a rainha junto a um de seus queridos corgis em uma moeda emitida em 1977. Incluídos nas estátuas do clássico museu de cera Madame Tussaud, os corgis têm um lugar especial bem ao lado da família real. 

Vida sem cachorros

Ainda que todos os corgis da linhagem de Susan já estejam mortos, a rainha Isabel ainda tem outros cachorros. A regente tem um outro corgi que adotou quando seu dono faleceu e dois corgis mais (misturas de corgi e tekel). Entretanto, a família real declarou que não quer mais criar cachorros. Em 2015, a rainha contou ao Daily Mail que os corgis são animais muito agitados e que podiam provocar uma queda.

• Bruna Moura
Leia mais