Do batom às tranças: a beleza das jogadoras da seleção brasileira de futebol feminino

Do batom às tranças: a beleza das jogadoras da seleção brasileira de futebol feminino

As jogadoras de futebol feminino têm personalidade com e sem a bola nos pés, podemos notar das unhas às tranças de cabelo.

As meninas do Brasil mostraram muito futebol nos pés no jogo diante a Itália, que rendeu uma vitória magra de 1 a 0, mas que mesmo assim garantiu que o Brasil avançasse para a próxima fase. Marta, a capitã, fez história com seu gol que a tornou a maior artilheira de todos os tempos em Copas do Mundo, ultrapassando Klose, atacante alemão.

A vitória era importante para a equipe não só para fortalecer a confiança de todo o time perante os Brasileiros, mas também para fugir das favoritas ao título na próxima fase. Entretanto, a vitória da Austrália sobre a Jamaica por 4 a 1 fez com que o Brasil permanecesse em terceiro lugar, tendo assim, pela frente, uma possível Alemanha ou França, a anfitriã, nas oitavas de final.

Bom futebol à parte, as brasileiras mostraram sua personalidade pela maquiagem, pelo cabelo e nas chuteiras. Com faixas, tranças integradas, rabos de cavalo e esmaltes, as jogadoras começam a mostrar quem são e a assegurar seus estilos aos torcedores brasileiros.

Se já pudemos por vezes verificar um show de vaidade em campo por parte dos times masculinos, com cortes de cabelo mirabolantes, barbas, sobrancelhas e chuteiras das mais espalhafatosas, o time feminino presa muito pela praticidade, e alguns dos seus detalhes podem até passar despercebidos, os cabelos, por exemplo, mesmo longos, não podem apresentar nenhuma limitação entre uma jogada e outra.

Nesse sentido, o jogo contra a Itália pareceu especial, já que o time mostrou que domina também a maquiagem e os guias de estilo. Marta foi a capitã também nessa hora, a artilheira escolheu um batom marcante, vinho puxado ao roxo, intencionalmente para chamar a atenção. Sua chuteira também foi especial, levando uma mensagem que visa a igualdade entre gêneros no esporte.

“Eu sempre uso, né? Não essa cor, mas hoje eu ousei. Não dá para usar a mesma corzinha simplesinha, então pensei: vou botar um negócio diferente. Provei antes e falei: vou com esse aqui. Acho que foi legal. Tem tudo a ver. A cor é sangria, então tem que dar o sangue, tem que estar junto”, expôs a rainha do futebol. O entrevistador ainda perguntou como seria para a próxima partida, já que agora o time está classificado, mas Marta preferiu guardar segredo por enquanto para não “perder a graça”.

As outras jogadoras do time também mostraram sua marca registrada, Ludmilla mostrou suas tranças nagô em mechas loiras, que combinaram com o uniforme da Seleção, o conjunto deu muito certo preso num rabo de cavalo. Thaisa, Monica e Kathleen foram mais discretas, mas não deixaram de usar esmaltes que combinassem com o azul e amarelo.

Apesar da aparente gama de possibilidades para o marketing, algumas das jogadoras, como Marta, pensam muito bem ao escolher seu patrocinador, ou melhor dizendo, preferem não ter. No caso desta última, trata-se, como já explicou um dia, de uma questão de luta por igualdade. A maior artilheira das Copas do Mundo afirma não ter ofertas de patrocínio à sua altura.

Leia também
Uma campeã de boxe finge ser principiante em uma academia

(Imagem: Reprodução/Veja SP)

Gouvea Aline
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações