Escândalo: Islândia é acusada de matar uma baleia azul

Escândalo: Islândia é acusada de matar uma baleia azul

As imagens rodaram o mundo e causaram indignação geral. A Islândia, que ainda faz parte da triste lista de países que fazem caça às baleias, é acusada de ter pescado e matado, agora em julho de 2018, uma baleia azul. Essa espécie é rigorosamente protegida por leis internacionais e está ameaçada de extinção...

As imagens causam arrepios na espinha e foram amplamente divulgadas nas redes sociais, e não demorou para virar um escândalo. As associações internacionais de proteção da natureza se indignaram, investigaram e continuam lutando pela sobrevivência de toda uma espécie.

Pesca à baleia azul

Pescadores da Islândia são acusados de ter matado uma baleia azul, o maior animal da Terra; e também uma criatura em risco crítico de extinção.

As imagens nítidas foram feitas por ativistas contrários à caça às baleias e que militam para uma melhor proteção dos gigantes que povoam os oceanos do globo.

Vários especialistas, depois de observar a fotografia, concluíram que se trata de um jovem macho de baleia azul, espécie que não era capturada intencionalmente desde 1978. Quatro anos depois, em 1982, foi votada uma moratória internacional, proibindo a caça comercial à baleia.

Híbrido?

A sociedade de pescadores culpada se defende explicando que o grande animal morto não é uma baleia azul, mas um híbrido de baleia azul e baleia comum. Testes de DNA estão sendo feitos para descobrir a verdade.

Mas o centro do problema é que a Islândia explora uma falha legislativa nessa questão da pesca às baleias.

A Comissão Internacional de Pesca à Baleia proibiu à caça a essa espécie, que quase foi extinta na segunda metade do século XX. O que significa que todos os países do mundo, incluindo a Islândia, estão proibidos de perseguir essa espécie de baleia.

Vazio jurídico

Mas a situação é diferente no caso da baleia comum. Embora exista uma moratória internacional relacionada a essa espécie, a Islândia ainda nega que ela esteja ameaçada de extinção.

Mas o animal está na lista vermelha da IUCN como “em perigo”.

Assim, o pequeno país do norte da Europa explora uma falha, já que os híbridos de baleia comum e baleia azul não são explicitamente citados nas leis internacionais.

Quais são os riscos para a Islândia?

“Se ficar confirmado que era uma baleia azul, a Islândia receberá multas pesadas e a empresa que pescou o animal pode perder sua licença de exploração, o que pode levá-la à falência”, explicou em entrevista à BBC Arne Feuerhahn, membro de uma comissão de investigação sobre a pesca ilegal às baleias.

Os especialistas parecem unânimes, mesmo antes da publicação dos resultados de DNA.

“Se a foto for real, não há nenhuma dúvida de que se trata de uma baleia azul”, explicou Dr. Phillip Clapham, membro da NOAA, Administração Oceânica e Atmosférica, que estuda os grandes animais de nossos oceanos.

Leia também
"Crocolfinho": Um pescador chinês virou assunto ao pegar uma estranha criatura

Defesa falha

A empresa de pesca islandesa, Hvaluf Hf, se defendeu.

O porta-voz, Kristján Loftsson, declarou:

“Tenho absoluta certeza que é um híbrido. É impossível confundir uma baleia azul e uma baleia comum. Essa baleia tem todas as características de uma comum. Existem muitas baleias azuis ao longo do litoral da Islândia e quando localizamos uma baleia, rapidamente identificamos a azul e a deixamos tranquila, continuando nossa busca por uma baleia comum.”

O governo islandês tenta apagar o incêndio.

“Embora os primeiros relatórios afirmassem que o animal não era uma baleia azul, nós levamos as contestações a sério e as autoridades competentes estão verificando a situação o mais rápido possível. Neste momento, o governo islandês não tem como confirmar a espécie da baleia, mesmo a empresa de pesca alegando se tratar de um híbrido de baleia comum e azul.”, declarou Kristján Thor Juliusson, Ministro Islandês da Agricultura e Pesca.

• Bruna Moura
Leia mais