Escândalo: Islândia é acusada de matar uma baleia azul

Escândalo: Islândia é acusada de matar uma baleia azul

As imagens rodaram o mundo e causaram indignação geral. A Islândia, que ainda faz parte da triste lista de países que fazem caça às baleias, é acusada de ter pescado e matado, agora em julho de 2018, uma baleia azul. Essa espécie é rigorosamente protegida por leis internacionais e está ameaçada de extinção...

As imagens causam arrepios na espinha e foram amplamente divulgadas nas redes sociais, e não demorou para virar um escândalo. As associações internacionais de proteção da natureza se indignaram, investigaram e continuam lutando pela sobrevivência de toda uma espécie.

Pesca à baleia azul

Pescadores da Islândia são acusados de ter matado uma baleia azul, o maior animal da Terra; e também uma criatura em risco crítico de extinção.

As imagens nítidas foram feitas por ativistas contrários à caça às baleias e que militam para uma melhor proteção dos gigantes que povoam os oceanos do globo.

Leia também
Aos 103 anos, esta orca denuncia uma situação de descaso com os animais em um parque aquático!

Vários especialistas, depois de observar a fotografia, concluíram que se trata de um jovem macho de baleia azul, espécie que não era capturada intencionalmente desde 1978. Quatro anos depois, em 1982, foi votada uma moratória internacional, proibindo a caça comercial à baleia.

Híbrido?

A sociedade de pescadores culpada se defende explicando que o grande animal morto não é uma baleia azul, mas um híbrido de baleia azul e baleia comum. Testes de DNA estão sendo feitos para descobrir a verdade.

Mas o centro do problema é que a Islândia explora uma falha legislativa nessa questão da pesca às baleias.

A Comissão Internacional de Pesca à Baleia proibiu à caça a essa espécie, que quase foi extinta na segunda metade do século XX. O que significa que todos os países do mundo, incluindo a Islândia, estão proibidos de perseguir essa espécie de baleia.

Vazio jurídico

Mas a situação é diferente no caso da baleia comum. Embora exista uma moratória internacional relacionada a essa espécie, a Islândia ainda nega que ela esteja ameaçada de extinção.

Mas o animal está na lista vermelha da IUCN como “em perigo”.

Assim, o pequeno país do norte da Europa explora uma falha, já que os híbridos de baleia comum e baleia azul não são explicitamente citados nas leis internacionais.

Quais são os riscos para a Islândia?

“Se ficar confirmado que era uma baleia azul, a Islândia receberá multas pesadas e a empresa que pescou o animal pode perder sua licença de exploração, o que pode levá-la à falência”, explicou em entrevista à BBC Arne Feuerhahn, membro de uma comissão de investigação sobre a pesca ilegal às baleias.

Os especialistas parecem unânimes, mesmo antes da publicação dos resultados de DNA.

“Se a foto for real, não há nenhuma dúvida de que se trata de uma baleia azul”, explicou Dr. Phillip Clapham, membro da NOAA, Administração Oceânica e Atmosférica, que estuda os grandes animais de nossos oceanos.

Defesa falha

A empresa de pesca islandesa, Hvaluf Hf, se defendeu.

O porta-voz, Kristján Loftsson, declarou:

“Tenho absoluta certeza que é um híbrido. É impossível confundir uma baleia azul e uma baleia comum. Essa baleia tem todas as características de uma comum. Existem muitas baleias azuis ao longo do litoral da Islândia e quando localizamos uma baleia, rapidamente identificamos a azul e a deixamos tranquila, continuando nossa busca por uma baleia comum.”

O governo islandês tenta apagar o incêndio.

“Embora os primeiros relatórios afirmassem que o animal não era uma baleia azul, nós levamos as contestações a sério e as autoridades competentes estão verificando a situação o mais rápido possível. Neste momento, o governo islandês não tem como confirmar a espécie da baleia, mesmo a empresa de pesca alegando se tratar de um híbrido de baleia comum e azul.”, declarou Kristján Thor Juliusson, Ministro Islandês da Agricultura e Pesca.

• Bruna Moura
Leia mais