Espanha: lançamento de um app online para denunciar abuso animal

Espanha: lançamento de um app online para denunciar abuso animal

Na Espanha, a causa animal também está gradualmente ganhando terreno. O partido defensor da causa animal "Pacma" recentemente atualizou sua aplicação, que permite reportar diretamente às autoridades casos de abuso contra animais domésticos ou selvagens.

Na Espanha, infelizmente, o abuso de animais ocorre como em qualquer outro país da Europa. Mas a colaboração de cidadãos é provavelmente uma das ferramentas mais eficazes nessa luta. O que na grande maioria dos casos involve casos ilegais.

Site para denunciar

O Partido Espanhol, Pacma, atualizou e relançou seu aplicativo móvel chamado "Yo denuncio" para tornar mais fácil, rápido e eficaz a denuncia por indivíduos e profissionais de casos de abuso animal. Seja por quem testemunha ou por quem só ouviu falar.

Houve um update recente, no entanto, essa aplicação não é uma invenção nova. Foi criada pelo partido em 2014.

Altamente procurada

Desde o seu lançamento há quatro anos, o partido registrou 2960 denúncias de abuso. Em 2016, o número de relatos triplicou em relação a 2014, sinal de uma consciência social da questão da proteção de animais domésticos, selvagens ou rurais.

Leia também
Uma menina de 5 anos salva a vida do pai com o pedido de socorro mais bonito do mundo

Em 2017, o aplicativo online Yo Denuncio foi utilizado apenas por dois meses e em 2018 por apenas cinco: entre os meses de agosto e dezembro.

Mudando atitudes e leis

Ao atualizar sua aplicação, o partido aproveitou a oportunidade para solicitar formalmente que a lei espanhola fosse alterada, principalmente o artigo 337 do Código Penal que ainda contém o termo "injustificada" ao falar do abuso exercido sobre animais.

Esta palavra deveria ser removida segundo o partido, partindo do ppressuposto de que qualquer ato de crueldade é, por definição, injustificado. O partido também pede o reconhecimento de abuso ou crueldade aplicado a animais selvagens, bem como penas mais duras para os infratores.

• Bruna Moura
Leia mais